pessoal e humana conditio, iii. segundo erving goffman, parte significativa da pessoalidade concretiza-se em situação – ou seja, em encontro, face a face – e é, enquanto é, representada para os outros. significa isto que, perante os outros, a condição de uma pessoa manifesta-se não pela tragédia, mas pelo drama, através da coreografia da sua identidade para a assistência. no entanto, sob este desempenho dramatúrgico subsiste a condição trágica da pessoa. por um lado, a encenação de si é algo exigido e devido aos outros, ainda que na maior parte das circunstâncias tais exigência e dívida sejam implícitas. por outras palavras, a representação de si para os outros é uma conditio sine qua non do reconhecimento – e, consequentemente, da aceitação – pelos outros. por outro lado, não obstante a encenação de si intente encontrar-se e convergir com as expectativas dos outros, tal encenação nunca dissolve a distância entre a instância representante e a instância representada, entre o actor e a personagem. o que faz com que, face aos outros, a pessoa seja simultaneamente o factor e o efeito dramatúrgico de si e necessite ser assim.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: